História e Cultura LEITURAS DOS PAMPAS

Livros de autores da região para ler durante a quarentena

Que tal comemorar o Dia Mundial do Livro conhecendo as obras de alguns autores das regiões da Campanha e Fronteira Oeste?

23/04/2020 16h00 Atualizada há 2 meses
Por: Augustho Soares

Hoje é celebrado o Dia Mundial do Livro. Sendo assim, nada melhor do que comemorar esta data lendo algumas obras da literatura regional. Afinal, em meio à pandemia da Covid-19, a leitura é uma ótima forma de passar o tempo em casa e manter a mente trabalhando.

Botelho escolheu obras da lista. Foto: Arquivo Pessoal

Sendo assim, o Buena Notícia traz aqui algumas dicas de livros escritos por autores da Campanha e Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Mas como ninguém aqui é uma autoridade para falar sobre o assunto, pedimos uma ajuda externa.

As obras na lista foram escolhidas pelo jornalista, escritor e tradutor bajeense José Francisco Botelho, vencedor de diversas premiações incluindo dois troféus da categoria Melhor Tradução do prêmio Jabuti, o mais importante da literatura brasileira.

Conhecido popularmente como Chico Botelho, o autor conquistou duas vezes o segundo lugar na premiação: a primeira em 2014, com "Contos da Cantuária", do inglês Geoffrey Chaucer, e a segunda em 2017, com “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare.

Sobre a lista, vale ressaltar que os livros estão em ordem alfabética. Dessa forma, a numeração não representa necessariamente a relevância dos autores e de suas obras. Afinal, cada um tem seu estilo de escrita e gênero, sendo incomparáveis entre si.

 

 

1- Andarilhos

Foto: Divulgação

É no vasto e inesgotável, rico e melancólico mundo pampeano que transitam os personagens do escritor e advogado bajeense Rodrigo Tavares.

O livro Andarilhos conta a história de três andarilhos que se reúnem em uma improvável comitiva de viagem. Nesse período, eles acabam passando por cenários pitorescos, enfrentando ameaças e, principalmente, o passado - sempre à espreita. A história envolve temas universais, como o amor, a perda, a amizade e até mesmo a redenção.

Lançada em 2017, a obra foi a segunda produção literária do bajeense. A primeira foi “Noite Escura”, de 2009.

 

2- Contos Completos

Foto: Divulgação

Em 1995, Sergio Faraco, considerado um dos melhores contistas brasileiros vivos, decidiu abandonar a literatura. Então, como uma despedida aos seus leitores, foi lançada a primeira edição de Contos Completos.

Porém, em 2000, o autor voltou atrás e publicou Rondas de escárnio e loucura, com 7 contos inéditos. Como resultado disso, Contos Completos ganhou uma nova edição, incluindo as publicações feitas desde sua primeira edição e mais 4 contos inéditos.

A obra é organizada por temáticas, sendo dividida em três partes:

A primeira parte reúne contos que se passam nos pampas gaúchos, onde os sentimentos de solidariedade e solidão humana são ressaltados pelo ambiente e pela paisagem.

Já a segunda parte é onde estão os contos sobre a visão infantil da vida, em que os protagonistas são meninos que experimentam o processo de crescimento.

Por fim, na terceira parte é mostrada personagens perdidos na cidade grande, onde a solidão se intensifica.

 

 

3- Farrapo: Memórias de um Cavalo

Foto: Divulgação

Um estudo em formato de romance sobre os costumes e a psicologia do povo gaúcho, este é Farrapo: Memórias de um Cavalo. A obra foi lançada em 1935 pelo autor e professor bajeense Félix Contreiras Rodrigues sob o pseudônimo Piá-do-Sul.

Com o seu sucesso, o livro foi recebido com entusiasmo pela crítica. O escritor Alberto Rangel, por exemplo, o descreveu da seguinte forma: "é a história, a poranduba, a poesia, a crença em Deus, a confiança, o amor do pago, a fé no Brasil e nos seus homens de ferro e de candura".

 

4- Ibiamoré, o Trem Fantasma

Foto: Divulgação

Considerada uma das mais importantes obras de ficção da literatura gaúcha de todos os tempos,Ibiamoré: O Trem Fantasma foi publicado pela primeira vez em 1981.

De autoria do psicanalista e escritor bajeense Roberto Bittencourt Martins, o livro parte da lenda de um trem que não precisa seguir os trilhos para seguir viagem. Ele simplesmente para nas estações, ou em qualquer lugar, e recolhe pessoas atraídas por uma misteriosa força, ou pela curiosidade.

A obra ganha, então, uma estrutura de romance feito por contos. Cada história contada se trata de situações que, de alguma forma, busca fazer elos de ligação entre os episódios, como referências a personagens de contos anteriores.

 

5- Mil e um Jazigos

Foto: Reprodução

Escrito pelo advogado e escritor João Bosco Abero, bajeense nascido na localidade da Mina, onde atualmente é o município de Aceguá, o livro Mil e um Jazigos foge do padrão convencional estabelecido para um romance.

Na obra, o escritor conta várias narrativas que se cruzam a partir de um eixo central: A história de um marmorista que começa a calçar seu pátio com pedaços de lápides quebradas, cujas letras e dizeres, colocados aleatoriamente, formulam os boatos que alimentam as demais histórias.

O livro foi lançado em 2017, sendo o ultimo romance escrito pelo autor. Abero morreu no ano passado, dias antes da Feira do Livro de Bagé, a qual havia sido escolhido como patrono.

 

6- O Duque da Senzala

Foto: Divulgação

A história de um ex-escravo vendido pela mãe que busca espaço no meio social e político no Rio Grande do Sul da segunda metade de século XIX. O O Duque da Senzala é o livro mais novo da lista, lançado no início deste ano.

Na obra, o protagonista, Ábedu Lecur, precisa realizar um feito praticamente impossível: matar o homem mais procurado da revolução de 1893. A partir dessa premissa, inicia-se uma jornada pelos confins do pampa em uma caçada aos limites da razão.

O livro é escrito pelo bajeense Valdomiro Martins. Formado em Letras, o autor estreou na literatura em 2007, com o livro de contos Guerrilha e Solidão. Entre suas publicações, também se destacam os recentemente lançados livro de contos "O colecionador de fadas" e novela "O ruído áspero da vespa".

 

BÔNUS: Cavalos de Cronos

Foto: Divulgação

Além dos livros já citados, o Buena Notícia também acredita que vale a pena dar uma conferida nas obras do convidado para a criação dessa lista. Assim, separamos Cavalos de Cronos, livro de contos mais recente de José Francisco Botelho.

Lançada em 2018, a obra foi vencedora nas categorias ‘’Conto’’ e ‘’Livro do Ano’’ do Prêmio Açorianos. Fora isso, também foi o livro de contos vencedor do Prêmio Minuano de Literatura 2019.

Sinopse: Em Cavalos de Cronos, o autor compõe narrativas que fluem como um líquido, mas sempre através de escolhas verbais sólidas e precisas. Ao mundo concreto se superpõe uma cartografia virtual cujos topônimos têm ressonância de presságio e fábula. As narrativas, em prosa e em verso, se expandem num território de crescente estranheza, em pesadelos de indivíduos crepusculares às voltas com o absurdo, ou nos mistérios ancestrais escondidos na montanha ou no labirinto cego da planura.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.