Sociedade TECNOLOGIA

Aplicativo da Unipampa conecta voluntários a pessoas do grupo de risco

Feito por grupo de pós-graduação em Alegrete, app permite que pessoas inscritas solicitem serviços.

23/06/2020 19h30 Atualizada há 3 semanas
Por: Augustho Soares
Aplicativo está disponível para celulares Android. (Foto: Reprodução)
Aplicativo está disponível para celulares Android. (Foto: Reprodução)

Para evitar a disseminação do novo coronavírus, os órgãos de saúde e autoridades da área orientam que a população fique em casa, e que saiam à rua para realizar somente atividades essenciais, como ir ao supermercado, à farmácia ou a consultas médicas. No entanto, como ficam aqueles que fazem parte dos grupos de risco e devem evitar até mesmo saídas rotineiras?

Foi pensando nisso que um grupo da pós-graduação em Engenharia de Software da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Campus Alegrete, desenvolveu o aplicativo "Fique em Casa".

O projeto tem como objetivo conectar voluntários a pessoas que fazem parte do grupo de risco para a Covid-19, que engloba idosos, pacientes em tratamento oncológico, diabéticos, hipertensos e doentes crônicos ou autoimunes.

Dessa forma, as pessoas que não devem sair de casa podem solicitar aos voluntários atividades como compras em supermercados ou farmácias, assim como pedir que levem animais de estimação ao veterinário ou façam pagamento de contas.

O aplicativo foi pensado como uma ferramenta de suporte ao enfrentamento à pandemia, sendo desenvolvido voluntariamente pelo grupo de pesquisa Laboratory of Empirical Studies in Software Engineering (Lesse) e pelo Grupo de Trabalho Unipampa no Enfrentamento à Covid-19, estabelecido pela Universidade.

O programa foi desenvolvido pelos professores do curso de Engenharia de Software, Elder de Macedo Rodrigues e Maicon Bernardino da Silveira, além dos pós-graduandos do Mestrado em Engenharia de Software, Pedro Henrique França Silva e Guilherme Legramante Martins.

Leia também:
Conheça a Startup de Alegrete que desenvolve projetos ousados em tecnologia

De acordo com Rodrigues, a ideia surgiu da necessidade de familiares, que são do grupo de risco, precisarem se expor para realizar atividades externas.

– Meus pais são idosos e precisam realizar pequenas atividades, como ir ao banco, comprar um remédio ou mesmo levar o cachorro no veterinário. Como meu único irmão não reside no estado, assim não pode me ajudar na execução dessas tarefas, ou me substituir quando não tenho disponibilidade. Percebi que estes problemas similares deveriam acontecer com outras pessoas – relata o professor.

O aplicativo está disponível para download na Google Play. O projeto também pode ser conferido através do seu site.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.